Quinta, 24 Abr 2014

Desporto — Segunda-feira, 17 Setembro 2012 — 0 Comentários

Apresentação da equipa sénior do Clube de Futebol de Carregal do Sal com novo treinador

IMG_0163.JPG

Perante centena e meia de espectadores, incluindo muitos acompanhantes da equipa visitante, o Clube de Futebol de Carregal do Sal apresentou neste domingo, 16 de Setembro, a sua equipa sénior aos sócios e adeptos da modalidade, em jogo amigável com a equipa de juniores do Grupo Desportivo de Tondela.

Outra equipa técnica e dez aquisições de jogadores, um deles por empréstimo, são a novidade do plantel com que o clube carregalense vai disputar o Campeonato Distrital da 1.ª Divisão Sul da Associação de Futebol Viseu da época 2012/2013, contando, além dessas aquisições, com mais nove jogadores transitados da época anterior.

No comando técnico da equipa, Miguel Pratas (ex-Clube Atlético de Molelos) rende Fernando Gaivota, que a meio da época 2011/2012 substituiu o treinador Marco Matos (Kiko), dispensado juntamente com Luís Firmino (treinador adjunto) e Rui Durães (treinador de guarda-redes). Mário Bastos (de Carregal do Sal) é o treinador adjunto e acumula as funções de treinador de guarda-redes. Marco Madeira continua a ocupar o cargo de massagista. A nível directivo, António Clemente é o director adjunto e Marco Dinis continua como director técnico, responsável máximo da equipa sénior.

Martinho Silva (guarda-redes, ex-Vale de Açores), João Nunes (defesa, ex-Clube Atlético de Molelos), Carlos Rodrigues (defesa, ex-Clube Atlético de Molelos), Fábio Gouveia “Mix” (médio, ex-Sporting Vale de Açores), Luís Davide (médio, ex-Mortágua FC), Vítor Bruno (médio, ex-Clube Atlético de Molelos), David Pinheiro (médio, ex-Grupo Desportivo de Arganil), Agostinho Bento, (médio, ex-Lusitano de Vildemoinhos), Júlio (avançado, ex-Canas de Santa Maria) e Massour Hndione (avançado, emprestado pelo Tourizense) são as novas caras do plantel agora apresentado.

Completam o plantel os seguintes nove jogadores que continuam a representar este clube: Eduardo Luís (guarda-redes), Daniel Morgado (defesa), António Miranda (defesa), Ricardo Santos “Pimpão” (defesa), Nuno Leal (defesa), Samuel Dinis “Samu” (defesa), Vítor Hugo (médio), João Oliveira (médio) e Vítor “Padeiro” (avançado).

João Oliveira rende Jorge Cunha como capitão da equipa, ficando Daniel Morgado e Samuel Dinis como sub-capitães, que rendem Gonçalo Borges e Daniel Santos, os quais saíram para outros clubes. Além destes, também saíram Wilson Amaral, Tiago Cunha, Rui Pereira, Luís “Barras”, David Mota, Márcio Sousa, Fernando Gonçalves, Rui Figueiredo, Filipe Fonseca, Luís Camilo, Jorge Cunha e Ricardo “Tuta”.

Após a apresentação do plantel da casa, com chamada individual através de aparelhagem sonora, entrou em campo a equipa júnior de Tondela, que alinhou com a seguinte formação inicial: Joel (GR, ex-Mortágua), Benny (ex- Santacombadense), Simão (ex-Santacombadense), Patrício (ex-Tabuense), Francisco (ex-Lusitano), Ruizito, Hugo Mota (ex-Lusitano), Elias, Tiago Viana, R. Silvestre e R. Ferreira. O treinador Steven Gonçalves teve ainda à sua disposição os suplentes Tiago (GR, ex-Tabuense), Cuco (ex-Santacombadense) e os ex-juvenis Manuel, Michel, Ferro, João Ferreira, Diogo, Steve, Tiago Santos e João Rodrigues. Esta equipa fez-se ainda acompanhar por Hugo Pizarro (treinador adjunto), Domingos (treinador de guarda-redes) e Eduardo Silva (director).

Apesar da luta, sempre aguerrida, que a jovem equipa convidada deu à equipa mais possante e experiente de Carregal do Sal, num jogo algo morno, mas com picardias a mais para um jogo amigável e de idades tão desiguais, não surpreendeu a vitória da equipa anfitriã por 3-0, com o primeiro e o terceiro golo a serem marcados em faltas de grande penalidade, obtidos por David Pinheiro e Daniel Morgado, respectivamente. Um dos melhores registos do jogo esteve no potente disparo de João Oliveira, a uns 30 metros da baliza, de que resultou o segundo golo.

Pelos incentivos do banco, dos jovens dos escalões de formação e de alguns espectadores, pareceu que o jovem senegalês Massour Hndione é a estrela da equipa, mas terá de evoluir um pouco mais para fazer jus a esse rótulo, pois pareceu algo lento e perdido nas suas movimentações. Teve bons pormenores, mas brilharam mais alguns colegas, como, por exemplo, Vítor Hugo, sempre acutilante, um poço de energia. Massour, um nome que se ouvia da assistência sempre que tocava na bola, ainda estará a ambientar-se à “sua nova casa” e, por isso, não será de estranhar que alguma tristeza o invada, conforme parecia transparecer do seu semblante. O campeonato começa no dia 07 de Outubro e, até lá, haverá tempo de Massour se tornar um jogador mais alegre. Ficam aqui os votos de que assim suceda e se sinta feliz em Carregal do Sal, para seu bem e do próprio clube!

Cabe acrescentar que a equipa sénior de Carregal do Sal conquistou o segundo lugar do Torneio dos Campeões, um torneio quadrangular que o Grupo Desportivo de Canas de Senhorim organizou nos passados dias 08 e 09 de Setembro, no qual também participaram as equipas da Associação “Os Vouzelenses” e do Moimenta do Dão Futebol Clube.

A equipa carregalense venceu a congénere de Vouzela naquele sábado, ficando apurada para disputar a final com a equipa da casa, que tinha vencido a equipa de Moimenta do Dão. Na final, disputada no domingo (dia 09) a equipa de Carregal do Sal ainda conseguiu que o vencedor do torneio fosse decidido pela marcação de grandes penalidades, mas aí a sorte sorriu à equipa de Canas de Senhorim.

DEPOIMENTOS

“O Carregal deu-me boas condições para desempenhar o meu trabalho” (Miguel Pratas)

g Miguel Pratas.JPGEm depoimentos a esta reportagem, o treinador Miguel Pratas assume que as expectativas para a nova época “são boas, estão reunidas boas condições”, acrescentando: “O Carregal deu-me boas condições para desempenhar o meu trabalho, agora vamos ver. Estamos numa altura de pré-época, estamos a trabalhar bem, estamos no bom caminho, e esperamos fazer um bom campeonato”.

Questionado nesse sentido, Miguel Pratas disse que já conhecia grande parte dos jogadores deste clube e que se sente “muito satisfeito por ficar com metade dos jogadores que fizeram a época passada e transitaram para esta época”. A este propósito, referiu ainda: “É bom chegar a uma estrutura onde já haja bons métodos e haja vontade de assimilar mais”.

Relativamente aos quatro jogadores que trouxe do seu anterior clube, garante que não foi propositado, com ideia de os beneficiar em relação a qualquer outro, e garantiu: “São jogadores que eu conheço, houve essa possibilidade de virem trabalhar comigo, estão preparados para trabalhar, mas partem todos da mesma linha, estão todos disponíveis para trabalhar. Neste momento são 19, poderão ser 20 jogadores, mas estão todos ao mesmo nível. São jogadores que estão habituados a trabalhar comigo, mas desde que eu cheguei são todos iguais”.

 

“Há que trabalhar para lutar pelos três primeiros lugares” (Gonçalo Abrantes)

Gonçalo Abrantes.JPGGonçalo Abrantes, presidente da Direcção, diz que a equipa de Carregal do Sal tem o dever de lutar pelos três primeiros lugares do campeonato, resumindo assim as expectativas para a nova época: “Expectativas não existem, o que existe é sempre a noção de que há que trabalhar para lutar pelos três primeiros lugares. Para a Direcção tudo passa pelos três primeiros lugares. Acho que o Carregal, pela qualidade das infra-estruturas e pelo meio físico onde está, tem o dever de lutar pelos três primeiros lugares, mas isso não é matemática, é preciso esperar, e a meio da época a gente vê”.

Sobre as novas aquisições, referiu este director: “Tentámos manter a linhagem dos anos anteriores, ou seja, aquilo que era considerado a dorsal das pessoas do concelho do Carregal, já conhecidas. Fora isso, precisámos de mais jogadores para jogar e tivemos de os ir buscar fora, porque infelizmente no concelho não os há, e isso é precisamente uma das razões para nos dedicarmos às escolas de formação. Nós precisamos das escolas de formação para podermos dizer daqui a uns tempos, se calhar, que 90 ou 95% dos jogadores são do nosso concelho, que é aquilo que é mais importante, e é esse o nosso objectivo”.

Não parecendo que ficar entre os três primeiros lugares seja uma meta obrigatória, Gonçalo Abrantes salientou: “Nós focamo-nos sempre na formação, nas escolas, isso é o fundamental e o principal, e ter as coisas bem organizadas. Já demos um pulo mais à frente, temos dois treinadores por cada escalão, vamos ter quatro escalões em competição, o que é muito importante, apesar de ter custos altíssimos para o clube. Esperamos que as crianças cresçam para poderem chegar a este nível. É essa a interpretação que pretendo”.

Segundo esclareceu, a aposta num novo treinador ficou a dever-se ao facto de a época anterior (6.º lugar) ter corrido “um bocadinho mal em termos de treinador”. Este ano, segundo disse, “houve mais um bocadinho de tempo para estudar essa situação” e confia que foi feita “uma escolha mais calma, mais pausada”. Confirmou: “Tivemos algum tempo para estruturar melhor as ideias, aquilo que pretendíamos, e acho que foi mais por esse motivo que propriamente por outro, porque efectivamente as coisas no ano passado não correram da melhor maneira, pelo menos, da maneira que nós pretendíamos”.

Lino Dias

Deixe um Comentário

Cronistas
Agenda
Agenda completa
Comentários Recentes
Últimos comentários