Farol da Nossa Terra – Projeto CARDOP desenvolve parceria social e científica com o Estabelecimento Prisional do Campo em Viseu
quinta-feira, 29 junho 2017

Projectos — Sexta-feira, 27 Janeiro 2017 — 0 Comentários

Projeto CARDOP desenvolve parceria social e científica com o Estabelecimento Prisional do Campo em Viseu

unnamed.jpg

O Estabelecimento Prisional de São José do Campo, em Viseu, acolhe no próximo dia 30 de janeiro, pelas 16:30h, uma cerimónia pública sobre o projeto CARDOP levado a efeito nesta instituição. O programa contempla a entrega de flores de cardo de qualidade inexcedível a produtores de queijo Serra da Estrela, que têm colaborado no projeto desde a sua génese, como prova da capacidade produtiva e do know-how instalado no Estabelecimento Prisional do Campo, seguindo-se uma prova de degustação de Queijos Serra da Estrela, produzidos com base em flores desenvolvidas por este projeto.

O evento será presidido pela Secretária de Estado Adjunta e da Justiça, dr.ª Helena Mesquita Ribeiro, e conta ainda com as presenças do Subdiretor Geral da DGRSP, dr. Paulo Moimenta, do Presidente da Câmara Municipal de Viseu, dr. Almeida Henriques, e do Presidente do Instituto Politécnico de Viseu, eng.º Fernando Sebastião.

O projeto CARDOP tem vindo, desde 2010, a estabelecer parcerias com instituições de diversa índole, científica, cultural e social, para estudar e conhecer melhor a flor de cardo como ingrediente obrigatório do Queijo Serra da Estrela.

Este percurso levou-nos a instalar cerca de uma dezena de campos e mais de 5.000 plantas, que permitem hoje termos um conhecimento mais abalizado sobre esta espécie e produzir flor de cardo com uma qualidade irrepreensível para fornecer algumas das queijarias de referências da região.

Um dos campos que mais orgulha este projeto é o que se encontra no Estabelecimento Prisional do Campo, que foi estabelecido em 2013 como um local experimental de cardo com a vocação de produção de flor, sendo atualmente uma referência na região e no País.

Neste estabelecimento encontra-se uma seleção de recursos genéticos de cardo, que representa não apenas um repositório, mas um potencial de futuro que irá assegurar a prossecução da utilização da flor de cardo como elemento diferenciador e exclusivo na produção do Queijo Serra da Estrela na região de Denominação de Origem Protegida.

O conceito, criado originalmente com a visão estratégica do à data diretor, dr. Miguel Alves, e o planeamento agrícola do eng.º Nuno Pestana, formado na Escola Superior Agrária de Viseu (ESAV), tornou-se uma realidade através da vontade dos próprios reclusos, que têm colaborado de forma ativa e inexcedível neste desígnio que é hoje levado a cabo por outros atores ao nível da coordenação, dr. José Pedreira, atual diretor, e da execução, pelo coordenador agrícola, sr. José Oliveira.

Este é um estabelecimento prisional, onde os reclusos, ao contrário do que vemos em outras partes do mundo, não fazem motins sem motivo algum, mas plantam e produzem flores de cardo para produtores queijo Serra da Estrela.

O trabalho desenvolvido no âmbito do CARDOP pretende dar resposta aos anseios dos produtores para que o queijo Serra da Estrela DOP se constitua como a imagem da “Ruralidade” mais capaz e inovadora, marca de um vasto território, das suas paisagens, dos seus recursos genéticos animais e vegetais, das suas gentes, cultura e tradições, traduzido num número exclusivo de produtores que se pretende ajudar a inovar na tradição num mercado extremamente competitivo, marcando presença ao lado dos melhores produtos agroalimentares. A uma qualidade e cuidado na produção e apresentação, que representa toda uma geografia, junta-se a “Alma” dos seus criadores, um pouco à imagem do Care, Love and Soul, característicos da excecionalidade de poucas criações, entre as quais este ícone se tem que incluir.

 

.

Joaquim Amaral | Comunicação e Relações Públicas IPV

Deixe um Comentário


Cronistas
Agenda
Agenda completa
Comentários Recentes
Últimos comentários