XVII Festival de Folclore da Associação Cultural do Rancho Infantil Cravos e Rosas animou Vila Meã

IMG_0003.JPG

Vila Meã esteve novamente em festa no passado fim-de-semana, dias 02 e 03 de Setembro, com o XVII Festival de Folclore da Associação Cultural do Rancho Infantil Cravos e Rosas, cotando-se entre as terras mais activas e genuínas do concelho de Carregal do Sal na preservação das tradições comunitárias.

Apesar de ser uma das mais pequenas aldeias do concelho, Vila Meã é a única com dois ranchos folclóricos e, consequentemente, também a única que realiza dois festivais de folclore em cada ano, na época de Verão.

Se o Grupo Folclórico D’Alegria de Vila Meã no passado dia 19 de Agosto levou à aldeia o Grupo de Danças e Cantares de Sermonde (Vila Nova de Gaia) e o Rancho Folclórico Rosas da Alegria de Sismaria (Leiria), no seu 13.º Encontro de Folclore, desta vez o Rancho “Cravos e Rosas” levou ali o Grupo Etnográfico da Escola Preparatória de Rio Tinto, o Rancho Infantil “Os Herdeiros de Travanca” de Santa Maria da Feira e o Rancho Infantil 1.º de Maio da Tocha.

O programa do festival teve início com nova “Caminhada Arqueológica”, no sábado, às 18h30, a qual incluiu uma aula de zumba e jantar de convívio. O serviço de restauração e bar é um dos pontos fortes do suporte financeiro de cada edição do evento e assim aconteceu também este ano, a partir das 20h00, animado durante a noite pelo teclista Jorge Andrade, de Tondela.

No domingo, após o almoço de convívio dos grupos folclóricos, deu-se vez às actuações de folclore, a partir das 16h30, primeiro com o tradicional desfile etnográfico, a passagem dos ranchos pelo palco na sua apresentação ao público e o ritual da colocação das fitas nos estandartes e da entrega de lembranças.

Aquele ritual contou a participação de José Sousa Batista, vice-presidente da Câmara Municipal, Jorge Gomes, presidente da Direcção da associação anfitriã, e Valdemar Cardoso, presidente da Assembleia-Geral. Foi também momento para as habituais saudações e considerações de circunstância, em que usaram da palavra o presidente da Direcção e o vice-presidente da Câmara. Jorge Gomes agradeceu a presença daquele autarca e do vereador José Dias Batista e justificou a ausência de representação da Junta de Freguesia de Oliveira do Conde. Agradeceu ainda as contribuições de Francisco Fernandes de Jesus a nível de instrumentos musicais e da dobadoira que o rancho da casa ali exibiu. Alargou os agradecimentos aos grupos convidados, às cozinheiras e colaboradoras.

Por sua vez, José Batista saudou os grupos e deu os parabéns à direcção da associação pela organização do evento. Terminou com o repto ao público de que soubesse aproveitar aquilo que o folclore representa, “a alma do nosso povo”.

Assistiu-se depois a uma excelente tarde de folclore, iniciada pelo grupo da casa, ao qual se seguiram os ranchos convidados. Apenas o Grupo Etnográfico da Escola Preparatória de Rio Tinto não era infantil, apresentando-se constituído por pessoas “mais maduras”. Todos os grupos deram o seu melhor com viva alegria, rubricando actuações muito apreciadas, merecedoras dos sucessivos aplausos da assistência.

Os grupos convidados elogiaram o acolhimento e a qualidade da comida, que puderam aferir de novo na refeição servida depois das actuações. A festa prosseguiu com o serviço de restauração e continuou noite dentro com baile animado pela Banda VM, de Mangualde.

Lino Dias

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*