Convívio de São Martinho da Filarmónica de São João de Areias juntou centena e meia de participantes

O tradicional convívio de São Martinho da Filarmónica de São João de Areias, realizado no domingo, 12 de Novembro, ficou especialmente marcado pela homenagem a Alexandrino Neves e aos conterrâneos que reuniram nos EUA a verba com que foi pago o monumento dos 140 anos desta filarmónica.

Além disso, voltou a estar rodeado de especial carinho e solidariedade, reunindo cerca de centena e meia de participantes, de diversas povoações da freguesia, acrescendo a particularidade de ter sido organizado pelo Grupo Fãs da Filarmónica, apoiado pela Direcção. Também o novo presidente da Junta de Freguesia, Alfredo Hervet, participou no almoço, sinal da atenção que a autarquia local quer manter para com o associativismo da freguesia.

Como tem sido hábito, o convívio constou de almoço, concerto da Banda Filarmónica e magusto. Confeccionado e servido pelo Grupo de Fãs, o almoço teve por ementa entradas, sopa de legumes, torresmos, acompanhados de batatas, couves e migas, e sobremesa diversa, pautando-se pela fartura e por esmerada confecção.

Após o almoço, enquanto uns tomavam o café no bar, outros faziam arrumação do salão para o concerto da Banda Filarmónica, o qual viria a contar com a honrosa presença do presidente da Câmara Municipal de Santa Comba Dão, Leonel Gouveia, depois ter cumprido outro compromisso de almoço.

Com uma execução de apurada qualidade e primorosa harmonia, a banda recebeu calorosos aplausos em todas as peças executadas. O maestro Pedro Carvalho fez notar a dificuldade na preparação deste concerto, em pouco tempo, que primou pela execução de novas peças, já seleccionadas para o grande concerto do Dia de Natal na igreja matriz. A intensidade dos aplausos em cada peça foi testemunho do agrado de toda a assistência de enchente do salão.

Esse testemunho foi também exprimido por Alexandrino Neves no momento da homenagem, antes da última peça do concerto, e pelo presidente da Câmara, convidado a usar da palavra nessa altura, após os respectivos agradecimentos do presidente da direcção, Vítor Borges, e a entrega de uma réplica do monumento dos 140 anos da Filarmónica ao homenageado.

Esta homenagem é também para todos aqueles que deram os seus donativos

para o monumento dos 140 anos de existência da nossa Filarmónica” (Alexandrino Neves)

Afirmou Alexandrino Neves: “É com muito prazer que estou na sede da mais prestigiosa associação do nosso concelho, a Sociedade Filarmónica Fraternidade de São João de Areias, e quero dizer que sempre que estou aqui fico comovido. É porquê? Porque que cada vez que passo por aqui, normalmente uma vez por ano, vejo que a nossa Filarmónica evolui cada dia que passa e, por isso, estou muito agradecido à escola de música, ao seu regente, a quem cumprimento e felicito, a todos os executantes, também à sua Direcção, e a todos aqueles que colaboram para que esta Filarmónica seja cada vez mais admirada e melhor, tendo presente o nosso concelho, São João de Areias e Santa Comba. Portanto, os meus agradecimentos a todos. No que respeita àquilo que acabo de receber, não é para mim na verdade, porque eu fui só um grão de areia para que isso se pudesse concretizar. Esta homenagem é também para todos aqueles que deram os seus donativos para o monumento dos 140 anos de existência da nossa Filarmónica. Também quero referir o nome de uma pessoa que esteve comigo desde o primeiro dia, a Dadita Figueiredo, e todos quantos deram a sua prestimosa colaboração voluntária para esse fim, que hoje espelha bem a grandeza da nossa Filarmónica. À nossa Filarmónica de São João de Areias, um viva e um grande obrigado!”. Como não podia deixar de ser, palavras tão sinceras e sentidas colheram da assistência uma estrondosa ovação.

É para mim uma enorme honra ter no concelho

uma filarmónica com esta qualidade” (Leonel Gouveia)

Por sua vez, Leonel Gouveia começou por agradecer àqueles que tudo fazem para levar por diante o grande propósito das filarmónicas, que é, como disse, a preservação da cultura da nossa terra, levando longe o nome, neste caso, de São João de Areias e do concelho de Santa Comba Dão.  Frisando que nem sempre as entidades autárquicas “conseguem fazer tudo”, referiu que, felizmente, existem “muitos Alexandrinos por esta freguesia que têm feito muito em prol desta Filarmónica”. Acrescentou: “É para mim uma enorme honra ter no concelho uma filarmónica com esta qualidade e, desde já, mais uma vez, pois nunca é de mais repetir, os parabéns à sua direcção pelo trabalho que vão desempenhando com muito amor, com muita dedicação, com muito sacrifício pessoal, ao Vítor, ao Sérgio e a todos aqueles que os acompanham. São merecedores da nossa gratidão, assim como o maestro, que tem feito muito por esta filarmónica em termos daquilo que é a qualidade musical que se pratica aqui, depois secundado por todos os músicos, hoje com uma grande formação musical e que levam bem longe o nome de São João de Areias e de Santa Comba Dão”. Deu como exemplo disso o prestígio que a Filarmónica vai ter ao participar novamente no dia 01 de Dezembro, em Lisboa, no Desfile Nacional de Bandas Filarmónicas, evento de homenagem a esta prática musical com mais de 200 anos e ao importante papel que as filarmónicas desempenham na formação cívica e musical de crianças e jovens, e deixou o desejo de poder estar presente nesse desfile, ao contrário do ano passado, em que não foi possível a sua presença.

O presidente da Câmara aproveitou a ocasião para uma referência à situação vivida com os trágicos incêndios do passado dia 15 de Outubro, dizendo que as dificuldades foram muitas, o concelho foi muito atingido, mas, “felizmente, começam a vislumbrar-se alguns apoios”, e espera que o concelho retome, no mais curto espaço de tempo possível, a sua normalidade. Dirigiu um sentimento de solidariedade a todos os habitantes da freguesia que perderam casas ou outros bens, fazendo notar que, dentro do possível, a Câmara Municipal está a fazer tudo para que os apoios necessários cheguem e para que rapidamente “as situações voltem à normalidade”. Se houver dúvidas ou dificuldades em aceder aos apoios, aconselhou os prejudicados a deslocarem-se à Junta de Freguesia ou à Câmara Municipal para exporem os prejuízos.

Depois de concluído o concerto, voltaram a ser montadas algumas mesas para colocação das castanhas do magusto, também este ano assadas na Padaria J. Duarte, agora localizada em Parada, e assim continuou o convívio em ambiente de alegre e saudável confraternização, onde não faltaram a jeropiga e a água-pé.

Lino Dias

Fotos: Gerrit Kulik e Lino Dias

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*