BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CANTANHEDE – 0605

TEIXEIRA DA SILVA  *

Teixeira da Silva.JPG

.

CANTANHEDE é uma cidade habitada no seu perímetro urbano por cerca de oito mil e oitocentos indivíduos de ambos os sexos. É sede de um município criado no ano de 1514 e que em nossos dias é formado por catorze freguesias. A sua área total de 390,88 quilómetros quadrados, encontra-se ocupada em regime de permanência por sensivelmente trinta seis mil quinhentos e noventa habitantes (recenseamento de 2011) o que transporta à densidade populacional de noventa e três habitantes/quilómetro quadrado. O concelho adotou para seu orago o  São Pedro.
.
ASSOCIAÇÃO HUMANITÁRIA DOS BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE CANTANHEDE é o corpo de bombeiros que tem a seu cargo toda a área concelhia, possuindo uma secção na vila da Tocha desde 1996. Para o cabal desempenho da missão que lhe está confiada a associação detem um acervo de quarenta viaturas se se considerar toda a tipologia existente, incluindo uma embarcação semi rígida para socorro e apoio maritimo/fluvial.
A fundação desta corporação de bombeiros aconteceu em 24 de agosto de 1902, tendo sido o seu primeiro comandante o saudoso José Trindade Vidaurre, que viu os estatutos superiormente aprovados em 16 de dezembro do mesmo ano, por alvará emitido pelo Governo Civil do Distrito de Coimbra. Com efeito tudo terá começado a embrionar na noite de 07 de outubro de 1900 quando se abateu sobre a zona central de Cantanhede (então ainda vila) uma forte trovoada, tendo uma faísca que caiu nas Mouriscas provocado um enorme incêndio em palha e lenhas de vários proprietários. Nessa altura inúmero povo anónimo acorreu ao local e com a ajuda de um bomba de envasilhar vinho dominaram o incêndio.No meio desses populares, logo sobressaiu pelo seu denodo no combate às chamas, um grupo de jovens que regressava de um concerto musical, no qual vinha integrado o José Vidaurre. Imediatamente após a extinção e rescaldo do sinistro, esse grupo pensou em criar uma corporação de bombeiros, constituindo uma comissão para angariação de fundos com vista à aquisição de uma bomba braçal para combate a fogos. Essa mesma bomba acabaria por chegar à vila em 13 de junho de 1902 por via ferroviária e em ambiente festivo.
Por curiosidade, a primeira “carreta dos bombeiros” (usando a expressão constante na fonte) foi construída, manualmente, pelo serralheiro local, senhor Júlio Malaguerra, à qual foi devidamente acoplada a bomba e respetivos acessórios, como os absorvos, as mangueiras e as agulhetas. No mês de maio de 1904 começou-se com a instrução específica dos primeiros sócios ativos; instrução essa ministrada pelo ilustre inspetor Simões Pais. No ano seguinte ao da implantação da república foi construído o primeiro quartel (se assim e pode chamar) num terreno cedido pela câmara municipal e que se situava entre os antigos salões da Escola Primária Conde de Ferreira, aqui se mantendo até 1930, ano em que aquele quartel foi demolido, passando todo o material existente para o salão da então Electromecânica que por sua vez, transformou uma velha camioneta que fora pertença da “Sociedade de Mercearias Unidas de Cantanhede” no primeiro pronto socorro da corporação.
Durante a presidência do farmacêutico local, Doutor Eduardo Couto, concretamente em 21 de setembro de 1932, a direção comprou um chassis usado da marca “Ford” que veio a ser carroçado como um outro pronto socorro nas oficinas “Frias” da vizinha Mealhada. Esta viatura foi festivamente inaugurada no ano de 1933 e batizada de “Maria Regina”, encontrando-se equipada com seis lanços de escadas, uma auto bomba nova da marca “Magirus”, material de sapador e ainda por duas escadas de ganchos.  Em 13 de novembro de 1934 o então presidente da república portuguesa, Óscar Carmona, concede à associação o grau de oficial da Ordem Militar de Cristo. Apesar de todas as melhorias no concernente a material de socorro, a primeira ambulância da associação só veio a ser adquirida no ano de 1954, uma viatura da marca “Volkswagen” que foi batizada com o nome de “Dona Maria Pinto”.
Apesar destas associações serem criadas para salvaguarda das vidas humanas; elas próprias estão sujeitas a acidentes impensáveis e foi num destes estúpidos acidentes de viação ocorrido em 01 de fevereiro que morreu o bombeiro Fausto do quadro ativo, o que constituiu um desânimo para todos os que integravam à época a associação humanitária. A Câmara Municipal de Cantanhede deliberou a atribuição da medalha de ouro do concelho por serviços prestados em reunião efetuada em 25 de abril de 1990.
No ano de 2001 é lançada a primeira pedra do atual quartel/sede que se localiza na ora denominada “Avenida dos Bombeiros Voluntários” e que ainda assim já foi objeto de obras de ampliação.
A SECÇÃO LOCAL DOS BOMBEIROS DE TOCHA foi inaugurada no ano de 1996, sendo que durante os primeiros dez anos funcionou numa dependência cedida pela Junta de Freguesia da Tocha, até que em 09 de julho de 2006 foram inauguradas as atuais instalações. Este quartel conta com quatro bombeiros assalariados durante o período diurno, sendo o noturno assegurado exclusivamente por voluntários.  O acervo de viaturas é de dez veículos e está afeto em permanência a esta secção. Desde 2010 que esta secção tem a seu cargo a coordenação de todos os nadadores salvadores que prestam serviço às praias da Tocha.
TOCHA é uma vila com a área de 78,44 quilómetros quadrados onde habitam em permanência cerca de quatro mil pessoas de ambos os sexos, o que correponde à densidade populacional de praticamente cinquenta e um habitantes/quilómetro quadrado. A sua designação original era São João Baptista da Tocha e adotou como orago a Nossa Senhora de Atocha.
.
(Baseado in “Cem Anos da Associação”, edição de 2002 da Associação dos Bombeiros Voluntários de Cantanhede)
.

* Gondomar, Porto, Portugal

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*